Notícias


Workshop A Importância da Imagem Pessoal


Na quinta-feira, dia 27 de junho, entre as 18:00 e as 19:00, terá lugar na Associação promotora do Ensino dos Cegos um Workshop sobre a importância da imagem. Venha descobrir o que é necessário para comunicar uma boa imagem, como vestir para uma entrevista de trabalho ou simplesmente como sentir-se confiante com o seu visual. Neste Workshop, orientado por Diana Pimentel da Fashion After 30's, terá a oportunidade de conhecer o impacto dos Looks no aumento da sua autoestima.

Embora seja errado julgar uma pessoa pelo seu aspecto, a verdade é que as primeiras impressões são muito importantes. Quando chegamos a algum lugar, a nossa IMAGEM é a primeira sensação que causamos. Quando fazemos uma apresentação, somos chamados para uma entrevista ou vamos a uma reunião/evento é fundamental CAUSAR UM IMPACTO POSITIVO.

A Consultoria de Imagem fornece as ferramentas para evidenciar as nossas melhores características, mas é da nossa personalidade que vêm o elemento diferenciador.

Notas:

  1. Este Workshop destina-se a pessoas com deficiência visual, está limitado a 15 participantes e requer inscrição, a qual será validada por ordem de chegada;
  2. Têm prioridade pessoas que ainda não tenham frequentado atividades na APEC;
  3. Quem não conseguir vaga neste Workshop tem prioridade no próximo, a agendar oportunamente.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para martabastos@apec.org.pt com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.



Divulgação: Instituto de Cegos Branco Rodrigues


O Lar Branco Rodrigues é um lar residencial da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, situado na Freguesia de Carcavelos/Parede, que apoia e promove a reinserção social de jovens e adultos portadores de deficiência visual congénita ou adquirida.

O Lar Branco Rodrigues dispõe de uma Biblioteca Literária e Musical e de um Serviço de Produção Documental, serviços de natureza informativa e formativa, destinados a responder às solicitações da população com deficiência visual e aos diversos públicos interessados e envolvidos em áreas da educação e cultura.

A Biblioteca Literária e Musical Branco Rodrigues e o Serviço de Produção Documental do Lar Branco Rodrigues possuem um acervo em braille constituído por cerca de 3000 volumes e um amplo acervo Cartográfico, cujos espólios se repartem pelos mais diversos saberes.

A Biblioteca Literária e Musical Branco Rodrigues e o Serviço de Produção Documental proporcionam visitas guiadas.

Objetivos: Sensibilização e divulgação junto da comunidade tiflológica e comunidade geral, da importância da escrita e leitura braille e da cartografia braille no desenvolvimento/autonomia pessoal, educacional e social da pessoa com deficiência visual.

Instituto de Cegos Branco Rodrigues 1913-2019

Local Rua da Malange 154, 2775-237 Parede

Horário das visitas: Terças e Quintas das 10h às 13h e das 14h às 18h

Informações e Marcações contactar: Diretora - Dra. Ana Paula Silva; Educadores – Ofélia Sá e Carlos Inácio

Telefone: 214 569 970



Sessão de divulgação


A Electrosertec vem à Associação Promotora do Ensino dos Cegos na sexta-feira, dia 31/05/19, às 15h, para apresentar os produtos de apoio que comercializa. Esta sessão está aberta a todos e todas, utentes, familiares, técnicos, etc. Mas está limitada a 15 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para martabastos@apec.org.pt com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.



ATL de Férias Música e Movimento


Irão realizar-se nos dias 15, 16 e 17 Abril, três manhãs de Atividades de Tempos Livres com Música e Movimento, no âmbito do Projeto "Bip Zip - Toca a Incluir", cuja entidade Promotora é a Associação Mão Guia e a Associação Promotora do Ensino dos Cegos e a Associação Bengala Mágica são entidades parceiras.

Este ATL prevê a exploração sonora e musical e destina-se a crianças, jovens e adultos com e sem deficiência visual, de forma a promover dinâmicas inclusivas e de entre-ajuda.

"Como é o movimento e o ritmo com a voz e com o corpo? E se um instrumento musical fosse apenas a tua voz? E como fazer movimentos com percussão corporal? Sabias que os objetos do teu quotidiano podem ser instrumentos? E que alguns materiais da natureza também? Junta-te a este ATL e aprende mais sobre ti e sobre os teus pares!"

O ATL é ministrado pelo Prof. Jorge Laurentino com uma vasta experiência no ensino de música e inclusão.

Dias: 15, 16, 17 de Abril
Horário: 9:30 às 12:30.
Local: instalações da Associação Promotora Ensino dos Cegos | APEC - Rua Francisco Metrass, nº 95, Campo de Ourique, 1350-141 Lisboa.

Inscrições através do 21 388 78 33 ou inesfaustino@apec.org.pt - com indicação de:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.
  6. Indicação se a inscrição é para os três dias ou apenas para algum dia especificamente.

No caso de serem crianças é garantido o acompanhamento das mesmas caso os pais ou outros familiares não possam estar presentes.

AS INSCRIÇÕES DEVEM SER ENVIADAS ATÉ AO DIA 12 ABRIL ÀS 12 HORAS.



[28/03/2019] Documentos adicionais para a Assembleia Geral de 28 de Março de 2019


Na página de documentos, foi adicionado o Parecer do Conselho Fiscal.

Adicionalmente, todos os documentos nessa página, anteriores a Novembro de 2018, foram removidos. Caso precise de rever os documentos anteriores a essa data, por favor contacte-nos.


[08/03/2019] Convocatória para a Assembleia Geral de 27 de Março de 2019


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral de 27 de Março de 2019. A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória.


Convite para a Exposição "Venha conhecer e experimentar a árvore da vida"


Prezados Associados, Amigos e Parceiros:

Tendo em vista a comemoração do nosso 131º Aniversário, a Direção da Associação Promotora do Ensino dos Cegos, tem o prazer de convidar V.Exa. para visitar a Exposição "Venha conhecer e experimentar a árvore da vida" da evALLuation, no próximo dia 12 de Março, entre as 11 horas e as 19 horas, nas nossas instalações.

Encontre a diversidade dos seres vivos numa sala apenas. Deixe que a natureza lhe desperte os sentidos!

Quão suaves são as penas de uma ave? Serão todas as aves iguais ao toque? As raposas têm pêlo áspero? A pele das rãs é viscosa? A que é que sabem os insetos? Será que todos os peixes comem as mesmas coisas? E será que todos os seres vivos experienciam o mundo através da visão?

Gratos por podermos compartilhar convosco mais um momento cultural!


Ler legenda abaixo.

Legenda da imagem: Logótipo da evALLuation.


Workshop introdução NVDA 2ª edição


O meu computador fala! Mas… e agora?

Na quarta-feira, dia 27 de fevereiro, entre as 10:00 e as 12:00, terá lugar na Associação promotora do Ensino dos Cegos mais uma sessão de introdução ao NVDA. Nesta sessão terá oportunidade de conhecer ou rever as teclas básicas do NVDA que permitem começar a interagir com o computador. Para quem trabalhava com o computador, mas nunca trabalhou com um leitor de ecrã é uma oportunidade de descobrir como fazer com o teclado aquilo que fazia com o rato.

Esta sessão destina-se a pessoas que tenham domínio do teclado. Esta sessão está limitada a 10 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Notas:

  1. É importante que os participantes dominem o teclado;
  2. Têm prioridade pessoas que ainda não tenham frequentado atividades na APEC;
  3. Quem não conseguir vaga neste Workshop tem prioridade no próximo, a agendar oportunamente;
  4. Se não tiver disponibilidade neste horário inscreva-se na mesma indicando a disponibilidade para grupos futuros.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para martabastos@apec.org.pt com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.



Fevereiro 2019


A Associação Promotora do Ensino dos Cegos agradece aos mais de 70 participantes pela sua presença, no passado dia 16 de Janeiro, na Conferência "A História do Bairro de Campo de Ourique e a Associação Promotora do Ensino dos Cegos" que foi proferida pelo Senhor Doutor Guilherme d’Oliveira Martins, que muito nos honrou com a partilha do seu conhecimento.

Segue o discurso do Senhor Doutor Guilherme d’Oliveira Martins na íntegra.

UMA HISTÓRIA NOTÁVEL - A história da cidade de Lisboa reserva-nos tantas vezes boas surpresas no tocante ao modo de aproveitar bem as qualidades naturais de uma das mais belas capitais europeias. Partindo de um núcleo antigo marcado pela Alcáçova e pelos bairros populares da cidade velha, delimitado no século XIV pela cerca fernandina, a cidade foi-se alargando até que terramoto de 1755 determinou a completa reestruturação do tecido urbano, tendo prevalecido a ideia de manter a Baixa, ainda que beneficiando de um sistema novo, inspirado na experiência de Amsterdão, assente em estacaria de pinho verde. No século XVI a urbe tinha ganho a estrutura ortogonal do Bairro Alto e no século XVIII vai conquistar novos espaços populacionais, na Lapa e no Campo de Ourique. Foi este bairro que acabámos de visitar no último passeio de Domingo e é sobre ele que hoje falaremos - esclarecendo algumas dúvidas e imprecisões que ainda existem. Se é uma zona de desenvolvimento relativamente recente da cidade, já que se trata de uma urbanização essencialmente do início do século XX, a verdade é que a sua base foi lançada em pleno século XVIII, a partir de dois núcleos fundamentais - o da nova paróquia de Santa Isabel e o do chamado Campo de Ourique. Se consultarmos mapas anteriores ao terramoto, verificamos que grande parte dos terrenos desta zona eram ocupados por produção agrícola variada. Tratava-se de chãos rústicos de quintas e olivais, com cultivos vários, além dos barros favoráveis à instalação de olarias e fábricas de telha e tijolo... A rua de Silva Carvalho, que começa nas Amoreiras no Palácio Anadia e termina no limite do antigo hospital Inglês, divide-se em duas secções que tiveram toponímias diferentes - S. João dos Bem-casados até ao antigo Largo da Páscoa e de S. Luís no troço final. Antes de 1755, a serventia do primeiro troço era rudimentar, marcada por uma ermida, entretanto demolida em 1884, construída em 1581, com fama de favorecimento das curas dos doentes, até pelos bons ares que usufruía, vindos de Monsanto. O pequeno templo antigo situava-se em frente de onde hoje se encontra Centro Comercial das Amoreiras, sendo da invocação de S. João Baptista e de Nossa Senhora da Boa Sentença. A construção da ermida deveu-se a António Simões, que foi soldado em Alcácer Quibir e esteve na edificação da primitiva igreja da Penha de França (1597). O palácio dos condes de Anadia, bem como as três importantes quintas que lhe correspondem (S. João dos Bem-Casados incluindo a casa nobre, Pousos que vai até ao Campo de Ourique e do Pé de Um e do Fetal que seguia até ao que hoje é o Largo do Rato), tornaram-se propriedade de Francisco Duarte de Almeida e Sousa, depois da insolvência da família Palhares; recebendo Aires de Almeida e Sousa e Sá, irmão de Francisco, em doação, toda a larga propriedade. Em parte do Palácio Anadia, morou e faleceu D. Tomás de Mello Breyner, conde de Mafra, médico do rei D. Carlos e avô de Sophia de Mello Breyner. No prédio fronteiro, morou Veva de Lima, filha de Carlos Lima Mayer, um dos "vencidos da vida", mulher de Rui Ulrich, conhecido professor de Direito, e mãe da pedagoga Maria Ulrich. Nas Amoreiras, a proximidade das fábricas pombalinas, em especial das sedas, exigia a presença das árvores cujas folhas alimentavam os preciosos bichos-da-seda. Andando pela rua de S. João dos Bem-casados chegamos ao grande prédio de esquina na rua do Sol para a rua do Campo de Ourique, onde esteve instalada a Companhia da Panificação e onde se encontrava a Sociedade Filarmónica Alunos de Apolo (fundada por guardas da polícia em 1872). O antigo largo da Páscoa leva-nos aos velhos arruamentos que ligavam a Santa Isabel, ao Rato, a S. Bento e ao Vale do Pereiro - Arrábida e Cabo.

RESVÉS CAMPO DE OURIQUE. Antes de irmos ao campo de Ourique, cuidemos, porém, um pouco de Santa Isabel. A freguesia foi criada em 1731 pelo primeiro cardeal Patriarca de Lisboa, D. Tomás de Almeida, que começou por estabelecer a sede na Ermida de Santo Ambrósio, já desaparecida. O novo templo foi começado a construir em Julho de 1742 e só se concluiu depois do terremoto sem que D. Tomás o visse concluído, apesar do seu apoio com a dádiva das suas pratas pessoais à Irmandade, para que as obras não parassem. No arruamento que liga a igreja paroquial à antiga rua de S. Luís, hoje com o nome de Silva Carvalho, situou-se a última morada de Almeida Garrett, entretanto destruída, escolhida especialmente pelo escritor por se encontrar destruída, escolhida especialmente pelo escritor por se encontrar próximo do cemitério inglês e por dela se avistar o monumento funerário em honra de Henry Fielding (1707-1754), o célebre autor de 'Tom Jones", que morreu inesperadamente numa passagem por Lisboa. Mas regressemos ao início da rua de S. Luís, na saída de uma das travessas do cimo dos quartéis. Estamos no quartel do Campo de Ourique, construção iniciada em 1758 numa propriedade de Miguel Mendes da Costa e Patrícia Maria - sendo constituída por camaratas, casa da pólvora e logradouros. A instalação foi levada a cabo por D. Lourenço de Lancastre e Noronha, descendente do conde dos Arcos, 5º Marquês das Minas por casamento. Lembre-se que não havendo serviço militar obrigatório o sistema era profissional e mercenário. Estamos no mais antigo edifício militar de Lisboa construído de raiz, já que os quartéis da Ajuda são posteriores. A praça das armas é imponente e é daqui que parte a organização do Campo de Ourique. De facto, é a partir do Quartel do Marquês das Minas e Conde do Prado que o Conde de Lippe vai proceder a uma construção adequada à modernização do exército português, muito depauperado então. O Conde de Lippe é enviado pelo rei Jorge II de Inglaterra, por iniciativa de Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal, com a responsabilidade de Marechal-General do Exército português. Mercê de tal reorganização, indispensável, o Exército passa de 18 mil para 40 mil homens. Recorde-se que estávamos no termo da Guerra dos sete Anos (1756-1763), entre a França e o império Habsburgo, de um lado, a Inglaterra, a Prússia, Hanôver e Portugal, de outro, o que obrigava a um especial esforço de organização e de eficiência - com a presença de mercenários estrangeiros. No quartel do Campo de Ourique, assim designado, instalar-se-á o regimento Infantaria 4, comandado por Gomes Freire de Andrade (nos anos 1790 a 1807). Um alemão - J.H.Friedrich Link - descreve em 1798 o caminho da Basílica da Estrela até à Parada do Quartel, "deixando o casario para trás de nós, chegamos a uma agradável planície chamada do Campo de Ourique, separada das colinas vizinhas por fundos vales, e utilizada nesta época como local de exercício por um regimento de imigrantes que aí estava alojado em graciosos abarracamentos inicialmente ocupados pelo regimento de Dillon e mais tarde de Montemar". Acrescente-se que o visitante esclarecia que a Parada também servia para promenade para as classes média e baixa. Depois do terramoto muita gente viera para aqui, pois o local tinha sido poupado às destruições (resvés Campo de Ourique). Esta unidade militar revelar-se-á muito ativa, designadamente na defesa dos ideais da liberdade. Lembrem-se os Motins o Campo de Ourique de 1803. Nas festividades do Corpo de Deus Grosson, ajudante do Conde de Novion, comandante da Guarda Real da Polícia de Lisboa foi preso por Gomes Freire. A prisão ocorreu no Passeio Público e causou um sério conflito entre o exército e a Guarda. Quando em final de Julho o regimento de Infantaria 4 celebrou as festas de Nossa Senhora da Piedade, na Ermida próximo do quartel, patrulhas da Guarda Real lançaram provocações a militares do regimento, tendo havido tiroteio e feridos. Por intervenção do Príncipe Regente, D. João, o Secretário de Estado da Guerra procedeu disciplinarmente contra o comandante do regimento, sendo Gomes Freire preso. De referir que os motins tinham finalidade política. Havia dois partidos que pretendiam influenciar o monarca - Novion e a oficialidade da Guarda Real representavam a sensibilidade francesa e jacobina, e Gomes Freire de Andrade e seus subordinados correspondiam ao partido pró-britânico e maçónico. No final dos acontecimentos, Gomes Freire apenas receberia uma repreensão e Novion seria destituído do comando da Guarda Real...

SAIU DAQUI HERCULANO PARA 0 EXÍLIO - Merece também referência o golpe de 21 de Agosto de 1831, em que interveio Alexandre Herculano e o levaria para o exílio. É um golpe, em que o regimento saiu em defesa da Constituição liberal contra a governação de D. Miguel, por incitamento do lente da Academia de Marinha Albino Francisco e Almeida. Sobre esta tentativa falhada do golpe Herculano diz: "a infeliz tentativa do 4º Regimento de Infantaria foi a tentativa conduzida com tanto valor pelo tenente-coronel Bravo". Um "agente incógnito" entrou clandestinamente no quartel de sobrecasaca e chapéu redondo. E assim levantou o regimento, que saiu pelo largo da Páscoa, descendo a rua do Sol ao rato em direção a S.Bento. Contudo a resistência dos guardas de polícia fez-se logo sentir. E ao entrarem na rua do Sol, um mestre de meninos equivocado pela charanga, deu vivas a D. Miguel - e foi varado pelas balas - o que originou grande perturbação. Daí para a frente os efetivos foram-se reduzindo, por fuga de muitos dos soldados, incapazes de resistir. Alexandre Herculano não interveio diretamente no movimento, mas apercebendo-se do fracasso foi para uma nau francesa, "Melpomène", fiel ao rei Luís Filipe e à monarquia de Julho - e daí passou a um paquete inglês que o levou para o exílio até à Mancha. Os resultados do funesto golpe são conhecidos - em frente à porta de armas do quartel no dia 10 de setembro foi fuzilada uma primeira leva de revoltosos -10 praças e um alferes. A 24 há uma segunda leva de 21 homens, incluindo tambores e outros músicos. Só se salvaria o último contingente de 30 homens, que incluía um tenente e diversos músicos. O resultado final da aventura levou à dissolução do regimento de 4 de Infantaria... Pode dizer-se, pois, que Campo de Ourique nasceu como um campo militar, que se integraria no programa reformista do conde de Lippe. É, assim, o quartel mais antigo de Lisboa. Muito provavelmente, a designação do local deve-se à invocação do milagre de Ourique pelos comandantes militares - invocado nas quinas das armas de Portugal. De facto, o quartel do Campo de Ourique aparece como estruturante na construção do novo bairro - bastando lembrarmo-nos do Jardim da Parada, recordação desse tempo e dessa vocação primordiais. Em memória do inconformismo liberal, o jardim da Parada alberga a estátua de Maria da Fonte, figura da resistência popular às medidas fiscais e às leis de saúde pública de Costa Cabral (1846). Não se esqueça ainda a intervenção decisiva do regimento de Infantaria 16 na Implantação da República, com o qual contaria Machado Santos na Rotunda - foi na rua Ferreira Borges que teve lugar o primeiro disparo da revolução -, bem como a intervenção importante do Batalhão de sapadores de Caminhos-de-ferro, na Primeira Guerra Mundial...

UM PÁTIO DE ARTISTAS FANTÁSTICO - Em suma, se no tempo do terramoto estávamos nos arrabaldes de Lisboa e tudo tendo começado com um campo militar e uma parada para exercícios sob a invocação do milagre de Ourique, em meados do século XIX a futura rua Maria Pia é o início da primeira circular ou circunvalação, construindo-se aqui o Cemitério Ocidental ou dos Prazeres e o acesso da rua Saraiva de Carvalho (1863). O bairro é previsto em 1878 e delineado num plano ortogonal em 1906 por Ressano Garcia. Em 1910 apenas chegava à rua de Tomás da Anunciação, progredindo até 1939 para chegar à rua de Sampaio Bruno. E Campo de Ourique das artes, da ciência e da cultura? Temos tudo! Além de Alexandre Herculano, que daqui saiu para o exílio, Almeida Garrett que teve a sua última morada na rua de Santa Isabel, Gomes Freire de Andrade, comandante do 4 de Infantaria, Guerra Junqueiro, que viveu na rua de S. Luís na quinta da brasileira (D. Ida Rosa Benthim), Fernando Pessoa (na sua casa da rua Coelho da Rocha, de fronte ao seu fiel barbeiro) - o senhor Manassés), Bento de Jesus Caraça e Ferreira de Macedo, eminentes matemáticos e pedagogos, fundadores da Universidade Popular Portuguesa na Padaria do Povo, António José Saraiva, Rómulo de Carvalho, Luís Sttau Monteiro, os artistas Cristino da Silva, Leopoldo de Almeida, Cotinelli Teimo, António Lino, Álvaro de Brée, Domingos Rebelo, Helena Almeida, Bárbara Assís Pacheco... Fomos, aliás, recebidos principescamente por Jorge Martins no Pátio dos artistas - que começou por nos explicar a autoria dos magníficos baixos-relevos aqui colocados graças a Leopoldo de Almeida, da autoria do escultor espanhol Juan de Ávalos y Taborda (1911-2006)... estes são apenas breves apontamentos. Muito fica por dizer. Propositadamente não há espaço para mil outros protagonistas... Só Fernando Pessoa daria pano para muitas mangas... Hoje foi apenas oportunidade para dizer que a origem do Campo de Ourique está encontrada!


Ler legenda abaixo.

Legenda: foto de interior, com o Senhor Doutor Guilherme d’Oliveira Martins de pé, na mesa dos oradores, a discursar. Do seu lado direito está sentado, o Doutor Pedro Cegonho, Presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique e do lado esquerdo está sentado o Presidente da Direção da APEC, Senhor Victor Graça, com o Doutor José Moser, Presidente da Mesa da Assembleia Geral sentado ao seu lado. De costas estão uma série de pessoas sentadas a assistir.


28 de Janeiro de 2019


A Associação Promotora do Ensino dos Cegos, vêm apresentar sentidas condolências à Associação dos Deficientes das Forças Armadas e à família, pela perda irreparável do nosso estimado e Amigo Comendador José Arruda.


Convite para a Conferência "A História do Bairro de Campo de Ourique e a Associação Promotora do Ensino dos Cegos"


Prezados Associados, Amigos e Parceiros:

A Direção da Associação Promotora do Ensino dos Cegos (APEC) e todos os seus colaboradores têm o prazer de convidar V.Exa. para a Conferência "A História do Bairro de Campo de Ourique e a Associação Promotora do Ensino dos Cegos", a qual será proferida pelo Sr. Dr. Guilherme d’Oliveira Martins. Este evento terá lugar no dia 16 de Janeiro de 2019 pelas 18h, em Lisboa, na sede da Associação, em Campo de Ourique, na Rua Francisco Metrass nº 95 e contará com um porto de honra.

Gratos por podermos compartilhar convosco mais um momento cultural!


Workshop de jogos acessíveis (2ª edição)


O computador também serve para se divertir! Quer descobrir como?

Na terça-feira, dia 11 de dezembro, entre as 10h30 e as 12h30, na Associação Promotora do Ensino dos Cegos, terá a oportunidade de conhecer e experimentar vários jogos acessíveis para se divertir nas férias, quer esteja sozinho, em grupo ou à distância!

Venha conhecer diferentes jogos para computador que podem ser jogados entre pessoas com deficiência visual ou entre pessoas cegas e normovisuais. Desde plataformas com jogos didáticos e de lazer que podem ser jogados contra o computador ou em grupo, Offline e Online, vamos dar a conhecer como encontrá-los e como jogar!

Esta sessão está limitada a 10 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Notas:

  1. É importante que os participantes dominem o teclado;
  2. Têm prioridade pessoas que ainda não tenham frequentado atividades na APEC;
  3. Quem não conseguir vaga neste Workshop tem prioridade no próximo, a agendar oportunamente;
  4. Se não tiver disponibilidade neste horário inscreva-se na mesma indicando a disponibilidade para grupos futuros.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para apecmfb@gmail.com com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.

Actividade do projecto "Inclusão Social para a Maior Qualidade de Vida da Pessoa com Deficiência Visual" em parceria com a Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Descrição do logótipo da Fundação EDP: Sob fundo branco, vemos a negro, as letras "Com o apoio", abaixo, também a negro, está escrito, em minúsculas, num tamanho maior "fundação" e à direita vemos duas elipses vermelhas, na horizontal, que se interligam num ponto central onde surge a palavra edp escrita a branco e em minúsculas. As elipses são vermelhas com um degrade que vai escurecendo à medida que se aproxima do centro. Numa linha mais abaixo, em letras pretas e em corpo de letra menor lê-se Programa EDP Solidária - Inclusão Social 2017.


[27/11/2018] Parecer do Conselho Fiscal para o Ano de 2019


A documentação em apreciação foi atualizada nesta página, onde poderá encontrar Parecer do Conselho Fiscal para o Ano de 2019, para a Assembleia Geral de 28 de Novembro de 2018.


23 Novembro de 2018


Aviso de candidatura aos Órgãos Sociais da Associação Promotora do Ensino dos Cegos encontra-se disponível aqui, que providencia a Lista A e o Programa de Ação para as eleições da Associação, que irão decorrer no dia 12 de Dezembro de 2018.


Novembro 2018


A Associação Promotora do Ensino dos Cegos criou o vídeo "A história da Joana" com o objetivo de desmistificar a temática da Deficiência Visual junto da comunidade em geral. É uma história de superação, contada na primeira pessoa, que mostra que a paixão pela dança não precisa do sentido da visão.

Joana Gomes é bailarina profissional na CiM - Companhia de Dança. Enquanto ouvimos a Joana contar a sua história na primeira pessoa, ela aparece na imagem a dançar sozinha no espaço da Associação Vo’Arte onde ensaia a companhia de dança da qual ela faz parte. Joana vai interpretando de forma improvisada, através da dança contemporânea, a sua história ao som da sua voz. Ao minuto 1:03 surge a Joana a dançar em palco com mais três colegas da CiM - Companhia de Dança e ao minuto 1:32 aparece a Joana sentada com uma amiga num jardim a conversar.

Para aceder ao vídeo cuja descrição segue abaixo clique aqui, ou veja directamente no leitor de vídeo do Youtube incorporado a seguir:


Descrição do vídeo
(por Anaísa Raquel, AR Produções)

Sobre fundo preto, a letras capitais, lemos: “A História da Joana”.

Numa sala com linóleo preto no chão e cortina preta na parede ao fundo, vemos Joana, uma Mulher Jovem loira, de cabelo comprido liso pelo cotovelo e com calças de ganga cor de rosa e blusa de alças preta. Ela flecte os joelhos e lança os braços para a frente. Agacha-se, senta-se no chão e leva uma mão em movimentos ondulatórios para a frente e para cima.

Percebemos, de outro ângulo, que a sala, numa das paredes, tem uma fila de espelhos. Dá pequenos passos em frente, fletindo os joelhos e lançando os braços em movimentos ondulatórios para a frente e para cima. Leva ambas as mãos junto à cara em movimentos circulares. Num plano aproximado do rosto, percebemos que tem olhos claros.

Noutra sala com paredes e chão com linóleo de cor preta vemos duas mulheres e dois homens dispostos lado a lado. Todos vestem calças de tecido branco que alargam a partir dos joelhos e blusa justa branca. Joana está mais à direita e avança para a frente. Os restantes colocam-se de costas. Ela leva o braço direito à frente e depois para a esquerda.

Os restantes, na linha atrás, torcem o tronco e olham na direção dela. Ela aproxima-se da linha deles e leva as mãos às costas do homem mais à direita.

Num ambiente exterior, sentadas num muro de pedra e à frente de vegetação verde, estão uma Mulher de óculos escuros, com cabelo encaracolado pelos ombros e, à direita, Joana. A Mulher ao lado dela segura numa garrafa de cerveja e num cigarro. Joana veste, agora, uma blusa fluida de manga curta rosa. A mulher de cabelo encaracolado olha para Joana. Joana vira ligeiramente o rosto para ela, dirigindo o olhar em frente.

Sobre fundo preto, à esquerda, lemos: “propriedade da” e, à direita, vemos o logótipo da Associação Promotora do Ensino dos Cegos - Lisboa”. O logo é oblongo e ao centro está uma figura de túnica com uma criança ao colo em cada um dos braços e, aos seus pés, à direita, está uma outra criança.

Sobre fundo branco lemos: “Com o apoio fundação EDP. Programa EDP Solidária - Inclusão Social 2017”. De salientar que no logo “EDP”, edp está a letras minúsculas e manuscritas a branco sobre um fundo de mancha vermelha.

Sobre fundo preto lemos: “agradecimentos: Joana Gomes, Luís Gonçalves, Rita Piteira, Associação Vo’Arte, CiM - Companhia de Dança, Sofia Soromenho, Bernardo Gama, Luís Oliveira, Anaísa Raquel (AR Produções) e Manuel Tinoco de Faria (edição).

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.


projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Descrição do logótipo da Fundação EDP: Sob fundo branco, vemos a negro, as letras "Com o apoio", abaixo, também a negro, está escrito, em minúsculas, num tamanho maior "fundação" e à direita vemos duas elipses vermelhas, na horizontal, que se interligam num ponto central onde surge a palavra edp escrita a branco e em minúsculas. As elipses são vermelhas com um degrade que vai escurecendo à medida que se aproxima do centro. Numa linha mais abaixo, em letras pretas e em corpo de letra menor lê-se Programa EDP Solidária - Inclusão Social 2017.


[13/11/2018] Convocatória para a Assembleia Eleitoral de 12 de Dezembro de 2018


Leia a Convocatória para a Assembleia Eleitoral de 12 de Dezembro de 2018.


[12/11/2018] Convocatória para a Assembleia Geral de 28 de Novembro de 2018


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral de 28 de Novembro de 2018. A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória.


Outubro 2018


Agradecemos aos mais de 60 associados, parceiros e amigos que vieram na segunda-feira, dia 15 de Outubro, comemorar connosco o Dia Mundial da Bengala Branca. Foi uma tarde muito rica de partilhas e reflexão que nos deixou orgulhosos por termos decidido organizá-la.

Não podemos deixar de fazer um agradecimento especial a Sua Excelência, a Senhora Secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência, Doutora Ana Sofia Antunes e ao Excelentíssimo Senhor Presidente do Instituto Nacional para a Reabilitação Doutor Humberto Santos por terem marcado presença no evento e à Doutora Celina Sol pelo lançamento de mais um livro intitulado "Folhas ao vento".

Aproveitámos a oportunidade para apresentar os resultados do projecto "Inclusão Social para a Maior Qualidade de Vida da Pessoa com Deficiência Visual" que temos a decorrer, em parceria com a Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 e estreámos um vídeo que a Associação Promotora do Ensino dos Cegos realizou com o objetivo de desmistificar a temática da Deficiência Visual junto da comunidade em geral. Fiquem atentos pois em breve publicaremos "A história da Joana".


Ler legenda abaixo.

Legenda: foto de interior, com Sua Excelência, a Senhora Secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência, Doutora Ana Sofia Antunes, sentada ao centro da mesa de palestrantes, com o microfone na mão, a discursar. Do seu lado direito está, o Excelentíssimo Senhor Presidente do Instituto Nacional para a Reabilitação Doutor Humberto Santos seguido da Doutora Celina Sol e do lado esquerdo da Senhora Secretária de Estado está o Senhor Presidente da Mesa da Assembleia da APEC, Dr. José Miguel Moser seguido do Presidente da APEC, Senhor Victor Graça, que ao seu lado tem o Presidente do Concelho Fiscal da APEC, Doutor Manuel Adolfo de Vasconcelos.

Ler legenda abaixo.

Legenda: Foto de interior com a Doutora Celina Sol a entregar para as mãos de Sua Excelência, a Senhora Secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência, Doutora Ana Sofia Antunes uma cópia do seu livro “Folhas ao vento” impressa em Braille pela Biblioteca Nacional de Portugal. O Presidente da APEC, Senhor Victor Graça está entre as duas a sorrir e o Excelentíssimo Senhor Presidente do Instituto Nacional para a Reabilitação Doutor Humberto Santos aparece na foto mais atrás.

Ler legenda abaixo.

Legenda: Foto de interior, com a Doutora Inês Faustino, psicóloga da Associação Promotora do Ensino dos Cegos, a apresentar aos presentes, em Powerpoint, os resultados do projecto "Inclusão Social para a Maior Qualidade de Vida da Pessoa com Deficiência Visual", que a APEC tem a decorrer, em parceria com a Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Descrição do logótipo da Fundação EDP: Sob fundo branco, vemos a negro, as letras "Com o apoio", abaixo, também a negro, está escrito, em minúsculas, num tamanho maior "fundação" e à direita vemos duas elipses vermelhas, na horizontal, que se interligam num ponto central onde surge a palavra edp escrita a branco e em minúsculas. As elipses são vermelhas com um degrade que vai escurecendo à medida que se aproxima do centro. Numa linha mais abaixo, em letras pretas e em corpo de letra menor lê-se Programa EDP Solidária - Inclusão Social 2017.


Introdução à língua alemã na APEC


Quer começar a falar alemão, mas não sabe como nem onde?

A Associação Promotora do Ensino dos Cegos vai realizar uma atividade de introdução à língua alemã. Esta atividade tem uma duração de 15 horas e realiza-se todas as terças-feiras, entre o dia 18 de setembro e 16 de outubro, entre as 9h30 e as 12h30. Se tem deficiência visual ou é associado da APEC inscreva-se pois o número de participantes está limitado a seis. Inscrições abertas até dia 14 de setembro.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para apecrfb@gmail.com com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Notas:

  1. A inscrição é validada por ordem de chegada;
  2. Quem não conseguir vaga neste grupo tem prioridade no próximo, a agendar oportunamente;
  3. Se não tiver disponibilidade neste horário inscreva-se na mesma indicando a disponibilidade para grupos futuros.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Workshop jogos acessíveis


O computador também serve para divertir-se! Quer descobrir como?

Na quinta-feira, dia 9 de agosto, entre as 10h30 e as 12h30, na Associação Promotora do Ensino dos Cegos, terá a oportunidade de conhecer e experimentar vários jogos acessíveis para divertir-se nas férias, quer esteja sozinho, em grupo ou à distância! Venha conhecer diferentes jogos para computador que podem ser jogados entre pessoas com deficiência visual ou entre pessoas cegas e normovisuais. Desde plataformas com jogos didáticos, de lazer que podem ser jogados contra o computador ou em grupo, Offline e Online, vamos dar a conhecer como encontrá-los e como jogar!

Esta sessão está limitada a 10 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Notas:

  1. É importante que os participantes dominem o teclado;
  2. Quem não conseguir vaga neste Workshop tem prioridade na próxima sessão a agendar oportunamente;

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para apecrfb@gmail.com com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Notícia recentemente publicada no jornal Expresso do Oriente


O jornal Expresso do Oriente publicou recentemente um artigo sobre a Associação Promotora do Ensino dos Cegos, destacando a sua história e importante missão.

O texto publicado em Julho 20 de 2018, segue na sua íntegra:

Fomos conhecer a APEC – Associação Promotora do Ensino dos Cegos, uma casa com 130 anos de história e um importantíssimo papel na vida de quem não vê.

No n.º 95 da Rua Francisco Metrass, em Campo de Ourique, encontramos a APEC / Instituto António Feliciano de Castilho. Fundada em 1888 com a missão de oferecer resposta ao nível da integração e reabilitação social para a população com deficiência visual, a APEC trabalha todos os dias para promover maior autonomia e participação social das pessoas que assiste, faculta formação em várias áreas e apoia as famílias e cuidadores informais.

Nas suas instalações, no domicílio ou na comunidade, a actividade da APEC passa pelas aulas de informática, de braille e de inglês, pelo apoio psicossocial para utentes e familiares, pela estimulação sensorial ou por aquilo a que se chama “competências básicas de autonomia”, “actividades da vida diária” e orientação e mobilidade. Coisas como cozinhar, fazer a lida da casa ou gerir o dinheiro carecem de formação específica para uma pessoa que acabou de cegar.

A APEC dispõe ainda de uma biblioteca com livros braille e de uma biblioteca digital com cerca de 34 mil livros, em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. A sala snoezelen para estimulação sensorial e a sala de informática resultam de um apoio da Fundação EDP.


Chegar a cada vez mais pessoas

Foi no Instituto Feliciano de Castilho que se formaram muitas pessoas cegas e que dali saíram para os seus empregos. O acesso ao mercado de trabalho é um dos focos da actividade da casa. Isto mesmo nos conta Vítor Graça, presidente da instituição, que entrou no ano 2000. “Os Censos diziam que existem 163 mil pessoas sem ver em Portugal. Quantos serão na realidade, ninguém sabe”, aponta o dirigente.

É por isso que a APEC quer chegar a um público cada vez maior: “Queremos chegar àquelas pessoas que cegaram com diabetes, com glaucoma, com descolamento da retina e que estão isoladas em casa. Precisamos de fazer chegar a informação sobre a nossa actividade a estas pessoas ou às famílias destas pessoas. Achamos sempre que a cegueira só acontece aos outros e não estamos preparados para quando nos acontece a nós ou aos nossos. E aí fazemos o quê? Atravessamos a Av. da Liberdade com uma bengala? Deixamos de ir à internet, de ir ao balcão de um banco, de ler uma carta? Não! É esse trabalho e essa formação que fazemos aqui. Estas pessoas têm de poder voltar novamente ao mercado de trabalho e têm de se poder sentir úteis, activas, nunca um fardo para os seus”.

Quem o diz é alguém que cegou aos 26 anos e que teve de “virar tudo ao contrário” para voltar à vida activa. “É fácil? Não, não é. Mas o que é que é fácil na vida? Vivemos muitas vezes no limite do risco, como no exemplo de atravessar a avenida com uma bengala. Mas vivemos!”, resume com simpatia.


Amália e Joaquim

Falamos com Joaquim Rodrigues, natural de Braga, aluno recente na APEC e membro da direcção. É-nos apresentado como “o homem do desporto”, já que é praticante de goalball, uma modalidade para cegos de que já falámos no nosso Jornal em edições anteriores.

"O desporto ajuda-nos muito, a nós deficientes, no dia-a-dia. O exercício físico e a actividade desportiva ajudam-nos no equilíbrio, na orientação, também do ponto de vista da auto-estima e da realização pessoal", enumera Joaquim.

Nasceu com retinose pigmentar, o que significa que foi perdendo a visão progressivamente até deixar de ver por completo cerca dos 15 anos de idade. "Não foi de forma alguma o fim do mundo, até porque tive tempo para a adaptação. Trabalhei na metalurgia, vim para Lisboa em 1993 e frequentei alguns cursos de música, informática, através dos quais conheci a Associação".

O goalball é uma modalidade desportiva de que gosta bastante, sendo que representa a UCAS – União de Cegos e Amblíopes do Seixal.

Já Amália Meira, natural de uma aldeia do litoral algarvio, chegou ao Instituto com apenas 9 anos. Nasceu já praticamente cega e passou pelo desenraizamento da família, algo que classifica como muito difícil, mesmo tendo sido uma decisão sua: queria aprender a ler e escrever como os meninos cegos.

"Depois da quarta classe, estudei música, piano, solfejo, português e francês… Leio braille como o senhor lê tinta, mas nem todos conseguem desenvolver assim o tacto", garante.

Contou-nos a história de como se empenhou para que as meninas cegas, ou seja, as alunas do sexo feminino, pudessem também entrar no liceu. Fez parte do primeiro grupo de 10 alunas cegas a fazer exames de admissão ao liceu. "Foi uma grande luta, tivemos de fazer uma grande pressão e um grande esforço para aprender a dactilografia normal. Todas tivemos aproveitamento, no Liceu Maria Amália, e todas quisemos seguir os estudos. Íamos tendo o estudo página a página, tudo a conta-gotas, à medida que as páginas dos livros iam sendo passadas para braille, foi muito difícil".

Não ficou por ali. Teve aulas de inglês, conseguiu uma bolsa Gulbenkian, fez exames de admissão à faculdade e frequentou um curso de Germânicas que não conseguiu terminar porque se empregou entretanto. Casou, tem uma filha professora de Ciências e Matemática e também uma neta.


Não devemos precisar de alguém para ir beber um café

Depois de uma visita às instalações da APEC, em que observamos os computadores com software de som, a máquina de escrever em braille e os equipamentos da Sala Snoezelen, ficamos a conhecer um pouco mais sobre as reais necessidades das pessoas cegas.

Ao longo da nossa conversa com Vítor Graça, recebemos múltiplos exemplos. Uma pessoa cega não deve ter de pedir a ninguém para ir beber um café. Não deve ter de esperar pelos outros se se quiser ir embora. Não deve precisar de perguntar a outro passageiro de autocarro em que ponto do trajecto se encontra em determinado momento.

Precisamos de fazer mais para apoiar a autonomia destas pessoas até porque, como nos dizia o presidente da APEC, "Não cegamos apenas com um glaucoma ou a diabetes; um acidente de carro pode fazer coisas do arco-da-velha". Comecemos por aceitar melhor a diferença!


EdoO – As pessoas, os decisores políticos, a sociedade em geral, estamos suficientemente conscientes das necessidades das pessoas cegas?

Vítor Graça – "Em termos de leis estamos excelentes; em termos de aplicação dessas leis, aí já é pior. Isto levava-nos a outra discussão mais aprofundada, que é a da sensibilização da sociedade para a aceitação da diferença e das pessoas com deficiência. Quando se colocam sinais sonoros, há muitas pessoas que moram ao pé desses cruzamentos e que reclamam porque o ruído as incomoda. As pessoas são egoístas. Os autocarros já tiveram informação audível, com o anúncio das paragens… deixaram de ter! Não posso ir no autocarro a pensar na minha vida, ou noutra coisa qualquer, porque se me distraio perco a paragem em que queria sair! Tenho de tomar atenção às curvas, se está a virar para a esquerda ou para a direita. A inclinação das rampas de acesso nem sempre é a correcta, muitas vezes não são testadas por ninguém antes de estarem prontas. A rampa da própria Assembleia da República não está adaptada para cadeiras de rodas, o que é muito revelador. A população tem de aceitar melhor a diferença e há muito a fazer ainda. É impossível para um cego andar na zona das Portas de Santo Antão, porque tropeça de certeza em qualquer coisa. As novas gerações têm um espírito mais aberto e temos a esperança de fazer no nosso país um caminho mais inclusivo.

O artigo original encontra-se publicado na seguinte página no portal do jornal Expresso do Oriente: Imagine atravessar a Av. Liberdade de olhos fechados e só com uma bengala - publicada em Julho 20, 2018.


Comemoração de Aniversário


Hoje comemora-se o 106º aniversário da inauguração do edifício do Asilo-Escola António Feliciano de Castilho.

A Associação Promotora do Ensino dos Cegos recorda a sua inauguração no terreno doado por duas irmãs, as Sr.as D. Maria José do Prado Rodrigues e D. Maria Adelaide do Prado Rodrigues.

Presentemente a Associação mantém a mesma missão desde 1888, dotada de recursos relevantes para a reabilitação e habilitação de pessoas com deficiência visual.

A imagem seguinte mostra o auto original de inauguração do edifício, podendo-se ler o texto seguinte (transcrito):

“Aos quatorze dias do mez de Julho do anno de mil novecentos e doze, na sala das Sessões da Associação Promotora do Ensino dos Cegos_Asylo-Escola “Antonio Feliciano de Castilho”_na Rua de Correia Telles, d’esta cidade de Lisbôa, com a comparencia de Sua Excellencia o Senhor Presidente da Republica, de membros do Governo, de diversas entidades officiaes, de representantes de varios estabelecimentos de instrucção e de beneficencia e ainda de grande numero de subscriptores do Asylo e dos seus corpos gerentes, se procedeu ao acto inaugural do edifício construído para sede do referido Asylo, descerrando-se, n’essa opportunidade, um medalhão, colocado n’uma das fachadas do dito prédio, representando o busto do eminente escriptor, erudito pedagogo e egregio poeta, cujo inclito nome a instituição tomou por egide, realisando-se, em seguida, a Sessão Solemne commemorativa d’esta data, que fica indelevelmente esculpida nos annaes da mesma instituição, como uma das que mais jubilo trouxe àquelles que se interessam pela sua prosperidade e engrandecimento.

Do que, para constar, se lavrou este auto, que vae por todas as pessôas presentes, assignado (…)”

Auto original de inauguração do edifício.
Imagem 1: Auto original de inauguração do edifício. Transcrição apresentada acima desta imagem.

Workshop Introdução aos Smartphones Android


Tem um Smartphone Android mas ainda não o utiliza a sério?

Na quinta-feira, dia 12 de julho, entre as 10:30 e as 12:30, na Associação Promotora do Ensino dos Cegos, é dia de conhecer as vantagens dos Smartphones Android! Venha esclarecer as suas dúvidas, conhecer os gestos básicos e entender a estrutura do ecrã para manusear o seu Smartphone com confiança. Tal como o Iphone, os Smartphones Android também são acessíveis e podem tornar-se uma ferramenta muito útil no seu dia a dia.

Esta sessão está limitada a 6 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Notas:

  1. Têm prioridade as pessoas que tenham Smartphone Android e que não estejam a frequentar atividades na APEC;
  2. Quem não conseguir vaga neste Workshop tem prioridade na próxima sessão a agendar oportunamente;
  3. Os participantes devem possuir as suas credenciais, como pin, palavra passe ou perguntas de segurança.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para apecrfb@gmail.com com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Junho 2018


Dia 28 de Junho realizámos uma actividade de Sensibilização para colaboradores, resultado de protocolo de cooperação estabelecido entre a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) e a nossa instituição.

Estivemos nas instalações da APDP onde fizemos uma apresentação com espaço para perguntas e respostas no âmbito da Deficiência Visual e do protocolo estabelecido entre as duas entidades. Contámos com 32 participantes, entre oftalmologistas, enfermeiros e ortópticos. Muito nos agradou ter dado o pontapé de saída a esta parceria com uma actividade tão bem sucedida!

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .


Ler legenda abaixo.
Imagem 1: Imagem de interior, com pessoas de costas, sentadas a assistir a apresentação oral da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.
Logótipo da Fundação EDP. Logótipo da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal.

Descrição do logótipo da Fundação EDP: Sob fundo branco, vemos a negro, as letras "Com o apoio", abaixo, também a negro, está escrito, em minúsculas, num tamanho maior "fundação" e à direita vemos duas elipses vermelhas, na horizontal, que se interligam num ponto central onde surge a palavra edp escrita a branco e em minúsculas. As elipses são vermelhas com um degrade que vai escurecendo à medida que se aproxima do centro. Numa linha mais abaixo, em letras pretas e em corpo de letra menor lê-se Programa EDP Solidária - Inclusão Social 2017.

Descrição do logótipo da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal: Sob fundo branco, vemos as iniciais em minúsculas da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal. A letra a está em cima, a letra p à direita, por baixo do p está de novo a letra p e à esquerda a letra d. As letras estão ligadas entre si, para dar a ideia de um trevo de quatro folhas cujo caule é a perna do p. A letra a é azul escura, a p mais clara, a d ainda mais clara e o p, cuja perna é o caule, ainda mais clara.
Do lado direito está, a azul escuro, a sigla em minúsculas apdp, por baixo da sigla está Associação Protectora e por baixo está dos Diabéticos de Portugal.


Workshop Introdução ao Iphone


Já comprou um Iphone mas está com receio de lhe tocar?

Na próxima quinta-feira, dia 14 de junho, entre as 10:00 e as 12:30, é dia de retirar o Iphone da caixa na Associação Promotora do Ensino dos Cegos! Venha esclarecer as suas dúvidas, conhecer os gestos básicos e entender a estrutura do ecrã para manusear o seu Smartphone com confiança.

Esta sessão está limitada a 6 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Notas:

  1. Têm prioridade as pessoas que tenham Iphone e que não estejam a frequentar atividades na APEC;
  2. Quem não conseguir vaga neste Workshop tem prioridade na próxima sessão a agendar oportunamente;
  3. Os participantes devem possuir as suas credenciais, como pin, palavra passe ou perguntas de segurança.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para: apecrfb@gmail.com - com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte da Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou se pretender inscrever-se noutras atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito.

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Workshop correio do Windows 10


Pretende migrar para o correio do Windows 10, mas está com dificuldade?

Na próxima quinta-feira, dia 17 de maio, entre as 10:00 e as 12:30, pode vir à Associação Promotora do Ensino dos Cegos familiarizar-se com este gestor de correio eletrónico. Desde as configurações iniciais, à navegação na estrutura da janela principal do programa até às diferenças e semelhanças de funcionamento com outros gestores de correio serão os temas que terá oportunidade de esclarecer.

Esta sessão está limitada a 12 participantes e requer inscrição, a qual será validada, por ordem de chegada.

Para se inscrever envie uma mensagem de correio eletrónico para: apecrfb@gmail.com - com os seguintes dados:

  1. Nome completo
  2. Contacto telefónico
  3. Data de nascimento
  4. Concelho de residência
  5. Dê a indicação de que autoriza o tratamento destes dados por parte das pessoas responsáveis por esta formação na Associação Promotora do Ensino dos Cegos.

Caso necessite de mais informações ou não esteja suficientemente à vontade com o leitor de ecrã para participar nesta sessão inscreva-se nas atividades da APEC, contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito, selecione o campo "Outras" da lista de possíveis necessidades e no campo onde pergunta "Quais" escreva "Correio Windows 10".

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Abril 2018


No próximo dia 11 de Maio entre as 10:00 e as 12:00, a Associação Promotora do Ensino dos Cegos, em parceria com a Associação Mão Guia, irá receber nas suas instalações, na Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa, uma sessão de Sensibilização sobre o curso "Cuidar de animais de estimação – Petsitting" que a Associação Mão Guia promove no âmbito do projeto BIPZIP "Mão Guia - Guia-te para a Vida".

Gostas de animais e queres realizar um dinheiro extra por mês? Podes tomar conta de um gato ou alimentar os peixes de um aquário enquanto os donos vão de férias? Talvez esta atividade te interesse.

Nesta sessão será dado a conhecer o curso "Cuidar de animais de estimação em casa - Petsitting" enquanto resposta de promoção da empregabilidade e requisito necessário para poder fazer Petsitting com a Associação Mão Guia. Outro objectivo desta sessão será o debate de aspectos importantes para que o curso resulte junto da população com Deficiência Visual que queira participar.

Esta sessão destina-se a pessoas com Deficiência Visual com mais de 18 anos. Para inscrever-se contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito e selecione o campo "Outras" da lista de possíveis necessidades e no campo onde pergunta "Quais" escreva "Ação de Sensibilização sobre Petsitting".

Actividade do projecto "Inclusão Social para a Maior Qualidade de Vida da Pessoa com Deficiência Visual" em parceria com a Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Legenda das imagens abaixo: Logótipos da Fundação EDP, da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa, da Associação Mão Guia, da Câmara Municipal de Lisboa e do Programa BIPZIP

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017. logótipos da Câmara Municipal de Lisboa e do BIPZIP (Projetos de bairros e zonas de intervenção prioritária de Lisboa)

Abril 2018


Sessão: Introdução ao NVDA

Na próxima quinta-feira, dia 12 de abril, entre as 10:00 e as 12:00, terá lugar na Associação promotora do Ensino dos Cegos uma sessão de introdução ao NVDA. Nesta sessão terá oportunidade de conhecer ou rever as teclas básicas do NVDA que permitem começar a interagir com o computador.

Esta sessão destina-se a pessoas com um nível inicial de informática, mas que tenham domínio do teclado. Estas sessões estão limitadas a 12 participantes e requerem inscrição. Para inscrever-se contacte-nos através do 21 388 78 33, dirija-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responda ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito e selecione o campo "Outras" da lista de possíveis necessidades e no campo onde pergunta "Quais" escreva "Atividade1 NVDA".

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Março 2018


A Associação Promotora do Ensino dos Cegos informa com agrado que começaram a decorrer, na nossa sede, aulas individuais e/ou de grupo de Inglês, à medida do nível de conhecimento em que cada inscrito se encontra. Se tem o interesse e/ou a necessidade de aprender esta língua, poderá inscrever-se e ter acesso de forma gratuita. Para tal, deverá contactar connosco através do 21 388 78 33, dirigir-se à Rua Francisco Metrass 95, 1350-141 Lisboa ou responder ao nosso inquérito online que se encontra em https://www.apec.org.pt/inquerito e seleccionar o campo "Outras" da lista de possíveis necessidades e colocar "Inglês" onde pergunta "Quais?".

Actividade do projecto "Inclusão Social para a Maior Qualidade de Vida da Pessoa com Deficiência Visual" em parceria com a Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

[23/03/2018] Documentos adicionais para a Assembleia Geral de 28 de Março de 2018


Na página de documentos, foi adicionado o Parecer do Conselho Fiscal.


[08/03/2018] Convocatória para a Assembleia Geral de 28 de Março de 2018


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral de 28 de Março de 2018 . A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória.


Fevereiro 2018


A Prestação Social para a Inclusão e o Atestado Médico de Incapacidade Multiuso: O que são, como adquiri-los e que benefícios trazem.

A Prestação Social para a Inclusão é uma prestação instituída através do Decreto-Lei n.º 126-A/2017 de 6 de Outubro que visa melhorar a proteção social das pessoas com deficiência, promover o combate às situações de pobreza, fomentar a participação social e laboral e contribuir para autonomização das pessoas com deficiência. Os beneficiários desta prestação podem ser, segundo o artigo 126º da Lei 114/2017 de 29 de Dezembro, as pessoas com idade igual ou superior a 18 anos e com um grau de incapacidade certificada através de Atestado Médico de Incapacidade Multiuso, que terá de ter sido adquirido antes dos 55 anos.

O que é um Atestado Médico de Incapacidade Multiuso?

É um documento, temporário ou permanente, que prova a incapacidade física ou outra e determina o seu grau. Através deste documento pode requerer-se uma série de benefícios.

Como o adquirir?

O próprio deve dirigir-se à Unidade de Saúde Pública da sua residência fiscal e pedir uma consulta no respetivo Centro de Saúde para requerer uma Junta Médica tendo como objetivo uma avaliação do seu grau de incapacidade.

Caso pertença às Forças Armadas, à Polícia de Segurança Pública ou Guarda Nacional Republicana, deve dirigir-se aos Serviços Médicos destas entidades.

Será notificado num prazo máximo de 60 dias, com a data e local para realização da consulta com a Junta Médica. O próprio deve levar consigo toda a documentação que sirva de apoio e justifique o estado de incapacidade permanente, como a cópia do documento de identificação (bilhete de identidade, cartão de cidadão ou passaporte), o(s) relatório(s) actualizado(s) do(s) médico(s), exames de internamento e/ou notas de alta.

A avaliação de incapacidade é calculada de acordo com a respetiva Tabela Nacional (TNI), por uma Junta Médica, cujo Presidente passará o respectivo Atestado Médico de Incapacidade Multiuso obedecendo aos princípios gerais de utilização da referida Tabela (TNI).

Qual o valor?

Paga-se 12,5€ quando emitido pela primeira vez pela Junta Médica da sua área de residência, sendo o valor da sua renovação de 5€.

Além da Prestação Social para a Inclusão quais são os outros benefícios a que dá acesso o atestado?

Com este documento, pessoas com um grau de incapacidade permanente, igual ou superior a 60%, podem beneficiar de descontos ou isenções, que podem variar consoante a percentagem de incapacidade. Nomeadamente:

  • Nas taxas moderadoras;
  • No IRS (no caso de ser pessoa com deficiência visual a incapacidade deverá ser, também, de 60%. Para mais de 90% de incapacidade, mais benefícios terá);
  • Isenção de IUC na aquisição de veículos automóveis (tem de ser tirado imperativelmente, no mês, de prefazer um ano da compra do carro);
  • Vantagens na atribuição de produtos de Apoio;
  • Prioridade de atendimento em todos serviços públicos e privados;
  • Acesso a ajudas técnicas ou produtos e tecnologias de apoio;
  • Na aquisição de habitação própria (a incapacidade deverá ser de 2/3 e ser maior de idade);
  • Abrigo do contingente especial para ingresso no ensino superior;
  • Abrigo de disposições do Código do Trabalho para trabalhadores com deficiência;
  • Direito ao cartão de estacionamento comunitário (para pessoas com deficiência com mobilidade condicionada se tiver); (no caso de ser pessoa com deficiência visual a incapacidade tem de ser 95%);
  • Na C.P. (Comboios de Portugal), (pessoas portadoras de deficiência com grau de incapacidade entre os 60% e 79% podem usufruir de um desconto de 20% sobre o valor da tarifa, em vigor, e com grau de incapacidade igual ou superior a 80% podem usufruir de um desconto de 75% sobre o valor da tarifa, em vigor, por inteiro e o seu acompanhante de 25% sobre o valor da tarifa, em vigor, por inteiro);
  • Direito a uma quota de emprego na Administração Pública;
  • Na aquisição de viatura própria (no caso de ser pessoa com deficiência visual, terá de ser maior de idade e a sua incapacidade igual ou superior a 95%);
  • Direito ao estacionamento à porta (Segundo o Decreto Lei 128/2017, de 9 de Outubro um cidadão com deficiência detentor de cartão de um outro Estado-membro possa beneficiar das facilidades de estacionamento que lhe estão associadas).

Em que consiste a Prestação Social para a Inclusão?

Esta prestação é composta por três componentes: A componente base da prestação que se destina a compensar os encargos gerais acrescidos que resultam da condição de deficiência e, além de ser atribuída a novos requerentes, vem substituir três prestações: subsídio mensal vitalício, pensão social de invalidez e pensão de invalidez dos regimes transitórios dos trabalhadores agrícolas.

O complemento da prestação que é aplicável em situações de carência ou insuficiência económica.

A majoração da prestação que entrará em funcionamento em 2019 e se destina a substituir as prestações que no anterior regime de proteção de deficiência se destinavam a compensar encargos específicos acrescidos resultantes da condição de deficiência e será regulamentada em legislação específica.

Com que pode acumular a Prestação Social para a Inclusão?

  • Pensões do sistema previdencial, do regime de proteção social convergente e pensões de regimes estrangeiros;
  • Pensões de viuvez;
  • Prestações por encargos familiares;
  • Subsídio de educação especial;
  • Complemento por dependência;
  • Complemento por cônjuge a cargo;
  • Rendimento social de inserção;
  • Prestações substitutivas de rendimentos de trabalho do sistema previdencial;
  • Prestações de desemprego e de parentalidade do subsistema de solidariedade;
  • Indemnizações e pensões por acidente de trabalho e doença profissional;
  • Indemnizações por responsabilidade civil de terceiro.

Com que não pode acumular a Prestação Social para a Inclusão?

  • Bonificação do abono de família para crianças e jovens com deficiência;
  • Subsídio por assistência de 3.ª pessoa (Aos beneficiários a quem o Subsídio Mensal Vitalício foi convertido na Prestação Social para a Inclusão e recebiam Subsídio por Assistência de 3.ª Pessoa, mantêm o direito a este último subsídio);
  • Pensão social de velhice.

Quem pode requerer?

  • O beneficiário;
  • O representante legal do beneficiário;
  • A pessoa que preste ou se disponha a prestar assistência ao beneficiário, sempre que este seja incapaz e esteja a aguardar a nomeação de representante legal, devendo juntar ao requerimento documento comprovativo de que interpôs processo judicial com vista a ser o seu tutor ou curador.

Como ter acesso à prestação?

A Prestação Social para a Inclusão, pode ser requerida através:

  • do Serviço Segurança Social Direta (SSD) em www.seg-social.pt;
  • de Formulário Mod. PSI 1-DGSS, acompanhado dos documentos nele indicados e entregue pessoalmente ou enviado pelo correio para os serviços de Segurança Social.

Links para mais informação:

Com o apoio Fundação EDP, no âmbito do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017 .

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Janeiro 2018


A importância da informação ser acessível a todos e todas, levou a Associação Promotora do Ensino dos Cegos, em jeito de celebração do Dia Mundial do Braille, que é assinalado ao dia 04 de Janeiro, a elaborar, com o apoio do Instituto Nacional para a Reabilitação (INR), um folheto de divulgação da OED - Operação de Emprego para Pessoas com Deficiência.

Com este folheto de divulgação salientamos, por um lado, a importância do sistema oficial de escrita e leitura para as pessoas com deficiência visual (Braille) e por outro, o mérito na procura de apoio, junto das respostas que facilitam a integração em mercado de trabalho. É o caso da OED, que acredita, como nós, que as potencialidades de cada indivíduo podem fazer a diferença no desempenho das variadas actividades profissionais.


Ler legenda abaixo.
Imagem 1 – Imagem de interior, na entrada e receção da OED (Operação de Emprego para Pessoas com Deficiência), com janela de rés-chão com cortina persiana vertical branca aberta, com vista para o passeio e para carros estacionados na rua, com cadeirão preto à esquerda e à direita e mesa de apoio preta quadrada ao centro. Por cima da mesa de apoio estão vários conjuntos de folhetos de divulgação da OED, uns brancos e em Braille (elaborados pela nossa associação e já entregues à OED) e outros em tons de verde-claro.
Ler legenda abaixo.
Imagem 2 – Imagem de interior, com tampo preto de mesa com vários conjuntos de folhetos de divulgação da OED em cima, à direita estão folhetos em tamanho A5, em Braille, virados com a parte da frente para cima, onde se vê um cabeçalho com os logótipos da OED e dos parceiros que fazem parte deste acordo de cooperação, ou seja, os logótipos da Fundação Liga, do Instituto de Emprego e Formação Profissional e da Câmara Municipal de Lisboa, do lado esquerdo há mais folhetos iguais A5, em Braille, mas virados com a parte de trás para cima, onde se vê um cabeçalho onde diz “Elaborado por Associação Promotora do Ensino dos Cegos” com o logótipos da nossa associação, do INR com a frase “Projecto cofinanciado pelo Programa de Financiamento a Projectos pelo INR, I.P.” e da Fundação EDP, Programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017, com a frase “com o apoio”. Ao centro, estão folhetos da OED com a capa em tons de verde-claro, com a foto de um senhor sentado a uma secretária em cadeira de rodas, onde se lê em letras brancas “25 anos: 1990 – 2015” e em letras verdes “a criar oportunidades de emprego”, mais atrás na mesa, do lado esquerdo, está um conjunto de folhetos mais pequenos, com formato quadrado e com as pontas redondas, com a capa de cor verde clara e com a frase “Há lugar para a diferença” em letras brancas e o logótipo da OED por baixo. Ao lado destes, há mais um conjunto de folhetos A5, brancos, em Braille, com a capa virada para cima, mas com o cabeçalho de cabeça para baixo.

Conteúdo do folheto em Braille: A OED - Operação de Emprego para Pessoas com Deficiência, criada em 1990, resulta de um acordo de cooperação entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Instituto de Emprego e Formação Profissional e a atual Fundação LIGA.

O que é? É um serviço que apoia a integração em mercado de trabalho, de pessoas com deficiência, residentes na cidade de Lisboa. Uma experiente equipa avalia, orienta e acompanha candidatos com deficiência, com o objetivo de integrar a pessoa certa na função mais adequada às suas competências.

O que fazemos? Integramos pessoas com deficiência no mercado de trabalho, acompanhamos a sua integração e evolução nas empresas e informamos as empresas sobre as capacidades profissionais dos nossos candidatos.

Como? Avaliamos as competências e interesses de cada candidato e integramo-lo na função que mais se adequa às suas capacidades, introduzindo adaptações no posto de trabalho, quando necessário.

Porquê a OED? Porque nos preocupamos com a sua integração em mercado de trabalho e acreditamos que as suas potencialidades podem fazer a diferença. Inscreva-se em www.oed.com.pt

Contactos OED: Rua Freitas Gazul, Lote 34, Loja 1 / 213932520 / geral@oed.com.pt

Logotipo do INR

Projeto co-financiado pelo Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P.

projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

Destaque - Dezembro 2017


A Associação Promotora do Ensino dos Cegos, no âmbito das actividades do projeto cofinanciado pela Fundação EDP (através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017), levou a cabo, um evento, tendo em vista a inclusão e a valorização das parcerias.

No dia 16 de Dezembro, convidámos a recém-criada Associação Bengala Mágica - Associação de pais, amigos e familiares de crianças, jovens e adultos cegos e com baixa visão, para a realização de um Encontro de Natal, dinamizado por nós, nas nossas instalações.

A primeira actividade contou com o apoio da Dra. Eduarda Pires da Associação Mão Guia, que trouxe um cão de assistência emocional e de forma lúdica e orientada, apresentou a “Molly”, tendo o conhecimento do animal, através dos sentidos do olfacto, tacto e audição, causado grande entusiasmo nos presentes.

Tivemos também a história “O menino e a Cerejeira, contada pela Educadora Cristina Cartaxo. Como forma de enriquecimento da história, através da experiência dos sentidos, surgiram sons, música, frio, quente, vento, palhas para “proteger os troncos de cerejeira” e pétalas de cerejeira, entre outros.

Para além do maravilhoso convívio e lanche trazido pelos pais e familiares, tivemos ainda uma divertida atividade de colagem, para realização de um enfeite de Natal, entre pais e filhos, que puderam levar o enfeite para casa.

Foi um gosto e um privilégio termos concretizado esta actividade juntos para materializar o espírito natalício. Bem-haja aos participantes e votos de muita Saúde, Amor e Sucesso para todos e todas em 2018!


Ler legenda abaixo.
Legenda 1 - Pais, amigos e familiares e crianças, jovens e adultos cegos e com baixa visão sentados em roda, no chão do auditório, em tapete, a ouvir mãe ler livro, com cão de assistência emocional presente.
Ler legenda abaixo.
Legenda 2 - Contadora da história O Menino e a Cerejeira a passar caixa com sal grosso, para experiência ao tacto, a simbolizar o frio e a neve no inverno e vento de leque a ser abanado.
Ler legenda abaixo.
Legenda 3 - Grupo de pais, amigos e familiares e crianças, jovens e adultos cegos e com baixa visão sentados em roda, no chão do auditório, em tapete, a escutar a Contadora de histórias a contar O Menino e a Cerejeira.
Ler legenda abaixo.
Legenda 4 - Estrela de cinco pontas de cartão e com um guizo numa das pontas, a ser enfeitada com algodão por mãe e filha.
projeto cofinanciado pela Fundação EDP, através do programa EDP Solidária – Inclusão Social 2017.

[25/11/2017] Documentos adicionais para a Assembleia Geral de 29 de Novembro de 2017


Na página de documentos, foi adicionado o Parecer do Conselho Fiscal.


[06/11/2017] Convocatória para a Assembleia Geral de 29 de Novembro de 2017


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral de 29 de Novembro de 2017. A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória.


[09/03/2017] Convocatória para a Assembleia Geral de 29 de Março de 2017


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral de 29 de Março de 2017. A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória.


[28/11/2016] Documentos adicionais para a Assembleia Geral de 29 de Novembro de 2016


Na página de documentos, foi adicionada a Acta 83 da última Assembleia e adicionado o Parecer do Conselho Fiscal.


[10/11/2016] Convocatória para a Assembleia Geral de 29 de Novembro de 2016


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral Ordinária de 29 de Novembro de 2016. A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória, incluindo a Memória Descritiva para o Orçamento de 2017 e o Plano de Atividades.


[11/10/2016] Convocatória para a Assembleia Geral Extraordinária da Associação Promotora do Ensino dos Cegos de 28 de Outubro de 2016


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral Extraordinária de 28 de Outubro de 2016. A documentação em apreciação está nesta página, onde poderá encontrar mais detalhes relacionados à documentação mencionada na convocatória.


[29/08/2016] Convocatória para a Assembleia Geral Extraordinária da Associação Promotora do Ensino dos Cegos de 09 de Setembro de 2016


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral Extraordinária de 09 de Setembro de 2016. A documentação em apreciação está nesta página.


[22/05/2016] Digiteca da Associação Promotora do Ensino dos Cegos


A biblioteca digital da Associação Promotora do Ensino dos Cegos está online! Pode registar-se e pesquisá-la no seguinte link


[13/03/2016] Convocatória para a Assembleia Geral da Associação Promotora do Ensino dos Cegos de 30 de Março de 2016


Leia a Convocatória para a Assembleia Geral de 30 de Março de 2016. A documentação em apreciação está nesta página.